Avaliação de ruído, calor e agentes químicos

Avaliação de ruído, calor e agentes químicos
3 anos atrás

A saúde do trabalhador e os riscos inerentes ao ambiente de trabalho representam um desafio complexo para qualquer empresa séria que esteja preocupada em estabelecer critérios de segurança e também garantir a qualidade de vida do colaborador.

Dentre os meios para se atingir tal fim, existem ferramentas que visam à avaliação quantitativa e qualitativa de agentes ambientais, o que possibilita a identificação dos riscos químicos e físicos ao colaborador, como por exemplo, o ruído, o calor ou até a vibração que, em alguma medida, podem afetar a integridade do colaborador, tanto do ponto de vista mental quanto físico, levando ao aparecimento de doenças e ou causando desconfortos, o que pode colocar em cheque não só a saúde do colaborador, mas também a produtividade da própria empresa.

Para realizar este tipo de avaliação existem instrumentos diversos como o anemômetro (que mede a velocidade e direção do vento), o luxímetro (que mede a iluminação do ambiente), o higrômetro (usado para mensurar a umidade relativa do ar) e o decibelímetro (utilizado fim de medir a intensidade dos ruídos em um determinado ambiente).

Quais as situações de risco?

De forma resumida, podemos dizer que existem cinco grandes riscos que devem ser observados em qualquer medição da segurança do trabalho.

O mais comum seria o risco ergonômico, que basicamente é determinado pela forma com que a tarefa é executada pelos colaboradores, ou seja, aqui fatores como postura incorreta, esforço físico elevado, jornadas prolongadas, repetitividade são algumas variáveis que podem influenciar de forma negativa a saúde e a produtividade do colaborador.

Existem também os riscos de acidentes, que são basicamente determinados pelo layout do ambiente de trabalho, assim como o armazenamento de produtos, iluminação, as instalações de infraestrutura (como fiação elétrica, encanamento, extintores de incêndio).

É digno de nota salientarmos a existência dos riscos físicos, que são caracterizados pela temperatura, ruídos, vibrações, umidade e níveis de pressão.  Dentro dos riscos biológicos destaca-se a exposição a fungos, parasitas, protozoários, bactérias, enfim, microorganismos diversos. Por fim, destaca-se os riscos químicos, que envolvem fatores que vão desde a exposição à poeira ou vapores químicos, até a explosão de gases.

Objetivo da avaliação de ruído, calor, agentes químicos e demais agentes nocivos

As avaliações devem oferecer subsídios para a elaboração de laudos técnicos que descrevam às exposições ocupacionais aos quais os colaboradores estão sujeitos.

Com isso, existe subsídio para que a empresa, por um lado, consiga lidar com as demandas da legislação, ao mesmo tempo em que consegue mensurar a necessidade de arcar ou não com custos relacionados ao adicional de insalubridade, que é pleiteado pela lei de acordo com as características do ofício exercido e os riscos inerentes a ele.

Não obstante, a avaliação oferece também um caminho para a prevenção, ou seja, a empresa pode entender não só o atual cenário, mas também, criar estratégias a fim de diminuir o risco existente dentro do local de trabalho.

Nesse sentido, a avaliação oferece um poderoso instrumento para que a empresa, de forma assertiva, consiga escolher os EPI’s que mais são adequados a atividade proposta.

OpusMed é uma empresa que presta serviços na área de Medicina e Segurança do Trabalho, atuando na implantação e gerenciamento dos programas ocupacionais de nossos clientes, tendo como objetivo promover a saúde e bem estar dos seus trabalhadores.

Com uma equipe de SESMT composta por Médica do Trabalho, Engenheiro de Segurança do Trabalho, Fonoaudióloga, Técnica em Enfermagem e pessoal administrativo de apoio, a OpusMed realiza a avaliação de ruído, calor, agentes químicos e demais agentes nocivos.